terça-feira, 25 de agosto de 2009

Dois Jornais, produzidos no Curso de Jornalismo e Fotos diversas

Para ver o Jornal produzido pelos alunos do Curso de Jornalismo em Xexéu visite o endereço:

http://imprensacaravana.blogspot.com

Veja essa foto, como expressa a alegria no rosto do futuro da Cidade:

Refeições dos Monitores
Pessoal do Curso de Jornalismo


Nossas conzinheiras



A Turismóloga Carioca Lília


E a Filósofa Ocilaine



Vestida de brisa preta a Etno-Historiadora Érica


Professora e Micro Empresária : Valderez da VAL-ARTES, que desenvolve economia solidária.


















segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Cidade de Xexéu - 21, 22 e 23 de agosto de 2009



Aconteceram cursos e oficinas diversos na Cidade de Xexéu.


Culinária, Dança do Ventre, Fiolosofia , Turismo, Experimentos do Espaço Ciência, Planetário, Observações Astronômica com telescópio, entre outros.

Estamos construindo mais informações e colocaremos mais detalhes...

Destaque: Comunidade de Campos Frios, segundo maestro Gil, o idealizador e coordenador da Caravana de Luz Cultural foi a que mais rendeu e desenvolveu-se nas oficinas, tanto nas aulas como na eleboração de produto final. Parabéns Campos Frios!

Vem ai mais fotos... aguardem...

Enquanto isso vão colocando suas opiniões, o vc acharam, podem postar como anônimo que é mais rápido.

sábado, 25 de julho de 2009

Matéria Publicada no Diario de Pernambuco em 22 de julho de 2009

Os voluntários do saber Solidariedade // Caravana Cultural doa conhecimento a crianças, jovens e adultos de cidades do interior de Pernambuco

Raquel é professora. Edvaldo, capoeirista. Valderez, artesã. Ocilaine, filósofa. Maria José, socióloga. Rodrigo,
Andréia gostou tanto da oficina em Capoeiras que também foi à de Caetés. Foto: Roberto Tavares/Divulgaçãodançarino. Elaine, Morgana e Marcela, estudantes. João, escritor. Em comum, eles têm a disponibilidade de, voluntariamente, ensinar o que sabem para crianças, jovens e adultos. São integrantes da Caravana de Luz Cultural, projeto criado na década de 1990 pelo maestro Givanildo Amâncio que percorre o interior de Pernambuco levando educação, cultura e cidadania. Este ano, mais de quatro mil pessoas já participaram das oficinas, nas cidades de São José do Egito e Tabira, no Sertão, Rio Formoso, na Zona da Mata, e Capoeiras e Caetés, no Agreste. A terra do presidente Lula, além de Catende, na Mata Sul, foram os recentes destinos da caravana.
A chegada nos municípios é sempre uma festa. Ávida por atividades que movimentem o fim de semana, a população acolhe os caravaneiros com alegria. O grupo aporta na sexta-feira à noite. Durante o sábado acontecem os cursos. No domingo, último dia da visita, alunose professores mostram o resultado das oficinas para toda a comunidade. As apresentações ocorrem numa escola, praça, clube ou qualquer espaço público. Em Caetés, antes do encerramento da caravana, os participantes saíram em cortejo pelas ruas até o Centro de Eventos, onde houve o encontro dos saberes. Foram cerca de 1.100 alunos em 37 oficinas. "Participo de um curso de agroecologia em Ibimirim. Fiz a oficina de educação ambiental da caravana e aprendi muitas informações importantes", comenta o estudante Adelmo de Oliveira, 22 anos, morador de Caetés. "Tenho uma lanchonete no Centro. Me inscrevi no curso de gastronomia e adorei. Foi maravilhoso, aumentou meus conhecimentos. Seria muito bom que recebêssemos a visita da caravana mais vezes", afirma a comerciante Edilza Bezerra, que vende o famoso pão de mel, doce que é marca da cidade. A estudante Maria de Fátima dos Santos também participou das aulas de gastronomia e aprovou a iniciativa. Moradora de Capoeiras, cidade que recebeu a caravana em maio, a cantora Andreia Silva, 23, gostou tanto da experiência de participar do curso de canto coral na sua cidade que, quando soube da viagem para Caetés, tratou de ir pra lá.
"Vim com um grupo de umas 10 pessoas. Esse projeto é bom porque mexe com as cidades. A gente que mora no interior precisa de atividades culturais", afirma Andréia, que mantém contato, por e-mail, com o professor da oficina, maestro Paulo Andrade. Caravaneiros - Professora da rede municipal de Olinda e Recife, Raquel Eduardo, 50, deixa os livros de lado e, na caravana, é a professora de dança popular e contação de história. Frevo, maracatu e outros ritmos pernambucanos fazem parte da oficina, uma das mais concorridas em todas as cidades visitadas. Raquel acompanha o projeto desde o início, na década de 1990. É uma das primeiras voluntárias. "Para mim é uma realização fazer parte da caravana. Sinto-me útil. É muito bom deixar os outros felizes com o meu trabalho, ver as pessoas superando seus limites", diz Raquel, que convidou duas amigas para a viagema Caetés. Ao contrário de Raquel, a turismóloga Lilia Regina Moura, 49, participou da caravana pela primeira vez em junho.
"A iniciativa é fantástica, apaixonante. O que me motivou a integrar o grupo foi a vontade de trocar conhecimento, informação, conhecer lugares e pessoas", conta Lilia, carioca que mora há pouco mais de um ano no Recife. Ela ficou tão encantada com o potencial turístico de Caetés - que tem várias cachoeiras - que instigou seus alunos a pensarem em um projeto de desenvolvimento do turismo local.
------------------------------------------------------------------------- Parceria pelo social


Em cada cidade são montadas oficinas das mais diversas áreas escolhidas de acordo com a necessidade do município e segundo a disponibilidade dos caravaneiros. Artesanato, capoeira, grafitagem, desenho, teatro, dança, jornalismo, informática, antiestresse e violão são algumas das opções. O maestro Givanildo Amâncio (conhecido por maestro Gil) conta que há mais de 50 pessoas cadastradas, voluntárias, dispostas a integrar a caravana. "Nossa missão é a distribuição de saberes e troca de conhecimentos nas mais diversas linguagens. Quem viaja conosco faz turismo solidário, exerce a solidariedade, distribui saberes e ajuda outras pessoas a ampliar horizontes de futuro", destaca o maestro Gil. Aos municípios que recebem a caravana cabe apenas disponibilizar transporte, hospedagem (que normalmente acontece em escolas, transformadas em albergues improvisados) e alimentação coletiva. "A vantagem para as cidades é receber cursos e palestras sem pagar nada pois todos os profissionais que viajam são voluntários, não ganhamnenhum centavo", observa o coordenador da caravana.
Sidarta Carvalho, 25, morador de Garanhuns, ensinou judô na caravana de Caetés. Foi convidado pelo secretário de Cultura de Caetés, Thiago Wanderley. "Sou professor de várias cidades e percebo a necessidade de projetos como esse serem intensificados. Os índices de prostituição e alcoolismo entre jovens são grandes. Cursos como os trazidos pela caravana ajudam a diminuir a carência que a juventude do interior tem e os afastado da bebida", ressalta Sidarta, calouro na caravana. O maestro Gil ressalta que o grupo está aberto à participação de novos voluntários.
Quem quiser se integrar à caravana deve escrever um email (givanildo.amancio@gmail.com) informando detalhes da oficina que pretende ministrar. Prefeituras também podem fazer contato por e-mail ou pelo telefone (81) 8726.1063.
----------------------------------------------------------------------------------------
Acrescentoentamos:
Todos estão convidados à participar, como pessoa física ou jurídica. Como representante de uma Ong, Empresa Estatal, Empresa Privada ou Algum Programa de Governo que queira usar a Caravana de Luz Cultural como ferramenta de divulgação social. Os òrgãos de fiscalização do Estado poderiam implementar divulgação de seus aparelhos de monitoramento, exercíco cidadão, etc. A Secreataria da Fazenda Estadual e Federal desenvolver ações de educação fiscal. Programas de Saúde ampliar práticas profiláticas. O CRAS interagirem com oficinas para público infanto juvenil. Conselho da Criança interagir no fortalecimento da aplicação dos ECA através de oficinas artísticas. Universidades públicas e privadas poderão, incluindo aí os diversos Centros de Formação, poderiam promover oficinas com alunos graduandos dos cursos. Dentro das respectivas salas a divulgação do promotor da oficina já é natural. Formação de público para Artes através da participação da Escola João Pernambuco, fazendo intercâmbio de grupos culturais. Corais que poderão viajar, cada membro da uma oficina de inicicação e/ou introdução a qualquer área do conhecimento e numa noite faria concerto para convidados na matriz da cidade visitada. Grupos de Teatros na mesma lógica do Coral. Cursos de línguas são bem vindos. A propaganda acontece naturalmente na sala. Apresentação de Programas de Responsabilidades Sociais dedenvolvidos por Empresas e Institutos. Intercâmbios de Grupos Culturais em Geral. Exercíco de expansão do trabalho de extensão de centros universitários.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Catende- PE 03, 04 e 05 de julho de 2009

CURTA ALGUMAS FOTOS DA CIDADE DE CATENDE




Oficina de Video, Literatura Infantil na Matemática e Introdução a Astronomia com Prof. Rodrigo Baldow.

Popular assistindo apresentação do Grupo de Capoeira Cordão de Ouro de Rio Formoso.

Pessoal da Caravana no Chalé do Alto da usina Catende - onde os Caravaneiros ficaram hospedados.
Cordão de Ouro na Feira sob o comando do Mestro Lino.

Enquanto isso a aula de Introdução a Astronomia rolava a todo vapor.


A Profesora Raquel Eduardo inaugurou com sucesso total a OFICINA DE CONTAÇÃO DE HISTÓRIA.


Professor Mário residente na Cidade de São Lorenço, conhecida recentemente como Cidade da Copa, coordenou a OFICINA DE TEATRO.

OFICINA DE CAPOIRA - aconteceu sob os cuidados do Mestre Lino oriundo da Cidade de Rio Formoso em Pernambuco. Colaborou muito com a Cidade de Catende.



OFICINA DE GASTRONOMIA NATURAL todos se fartaram na primeira noite na Cidade de Catende. O Diretor de Cultura, Eduardo Menezes entrou com os caravaneiros abaixadinho no tradicional cuzcuz-com-ovo.

Vista do arco com para o quintal frontal do Chalé do Alto da usina Catende.

Fração do Grupo que viajou para Catende, incluindo as conzinheiras ligadas a Secretaria Municpal de Educação de Catende.

Agradecemos especilamente a Edurado Menezes, Diretor de Cultura da Secretaria de Cultura e Turismo da Prefeitura de Catende e ao Assessor Especial da PMC Rinaldo Barros.

Registramos o significativo apoio da Equipe da Secretaria Municpal de Educação. Agradecemos a todos em nome da Professora Jane lima - Sec. de Educ. PMC.